sábado, 25 de abril de 2009

À la Folie... Pas du Tout


Esses dias ouvi de uma senhora, na fila do restaurante, a seguinte frase:
"O casamento é um contrato fracassado".

Sei lá se ela era divorciada, viúva, apanhou do marido, foi traída... mas enfim.. aquilo ficou me corroendo os neurônios por todo o almoço.

Concordo que seja um contrato, já que são duas pessoas querendo algo em comum: a felicidade.
Felicidade esta que não posso simplesmente entregar de bandeja ao meu futuro marido. Tenho que fazer por mim também.

Se alguém vai subir ao altar pensando que será eternamente feliz ou então quer dar um desfecho na sua historia, tipo um "e foram felizes pra sempre"... acho que está fadado ao fracasso mesmo.

Nenhum casamento é felicidade e alegria 100%, eu particularmente tenho pavor daquelas propagandas de margarina... em que aquele pote rola feliz e solto por uma família de semblante inimaginável, de outro mundo. Como se aquilo fosse um exemplo de familia.

Não sou pessimista, mas acho que todo relacionamento duradouro tem os pés cravados no chão.

Deu esses dias no Globo Reporter sobre os casais... parei pra ver quando apareceu um casal do interior com mais de 60 anos de casado.

MEU DEUS, eu pensei. É mais que uma vida. É a idade dos meus pais daqui a um ano.

Então me surgiu diversos outros tipos de sentimentos como: frustração (se eu for que nem eles, vou passar minha vida mais com meu maridão do que com meus pais), de alegria (por saber que ainda existem casamentos assim), de limitação (será que vou viver tudo o que eu quero, caso eu case e passe 60 anos com alguém ao meu lado)... enfim... me surgiram infinitas duvidas, infinitos sentimentos... porque ao mesmo tempo em que todos querem ter uma vida feliz e casada, com filhos e gerando netos, bisnetos... continuação da familia... eu fui um pouco egoista nesse momento.

Fiquei pensando em mim e nos meus sonhos, planos entre tantas outras coisas.

Pensei demais, confesso.

Pensei tanto que ão consegui chegar a nenhuma conclusão.

A vida é tão ambivalente... traz tantas coisas e tantos acontecimentos e tormentos... enfim.

Li ontem uma reportagem sobre a Geração Odisséia, que é tipicamente a minha geração, que a todo momento troca de profissão, troca de sonhos, troca de planos, troca de endereços, troca de cursos, não tem definido o que quer da vida, do trabalho, do namorado, do marido, de si mesma (o), troca de namorados, de casamentos, de amigos, vai pra Europa de mochila, o lap-top é tudo... poxa vida... fiquei cansada até de ler.

É a geração que quer experimentar tudo, tem sede de tudo, e eu sou assim, fico mirabolando tantas coisas pra fazer, pra ser, pra pensar... e na maioria das vezes não levo adiante o que eu tinha planejado no inicio do dia, do ano, do mês... porque é tanta coisa que aparece pra gente absorver, pra aprender... que as vezes penso que não da tempo de nada.

Por isso que as pessoas estão casando mais tarde... concordo inteiramente com isso. Porque do jeito que está... de querermos fazer de tudo e mais um pouco... pode ser que chegue um belo dia em que tu acorda, olha pro lado... e se pergunta: "quem é essa criatura ao meu lado"...

Deixo aqui um texto da Martha Medeiros sobre casamento, muito válido e que assino embaixo:

"Em maio de 98, escrevi um texto em que afirmava que achava bonito o ritual do casamento a igreja, com seus vestidos brancos e tapetes vermelhos, mas que a única coisa que me desagradava era o sermão do padre. "Promete ser fiel na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-lhe e respeitando-lhe até que a morte os separe?" Acho simplista e um pouco fora da realidade. Dou aqui novas sugestões de sermões:- Promete não deixar a paixão fazer de você uma pessoa controladora, e sim respeitar a individualidade do seu amado, lembrando sempre que ele não pertence a você e que está ao seu lado por livre e espontânea vontade?- Promete saber ser amiga(o) e ser amante, sabendo exatamente quando devem entrar em cena uma e outra, sem que isso lhe transforme numa pessoa de dupla identidade ou numa pessoa menos romântica?- Promete fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados que não chegaram a se concretizar?- Promete sentir prazer de estar com a pessoa que você escolheu e ser feliz ao lado dela pelo simples fato de ela ser a pessoa que melhor conhece você e portanto a mais bem preparada para lhe ajudar, assim como você a ela?- Promete se deixar conhecer?- Promete que seguirá sendo uma pessoa gentil, carinhosa e educada, que não usará a rotina como desculpa para sua falta de humor?- Promete que fará sexo sem pudores, que fará filhos por amor e por vontade, e não porque é o que esperam de você, e que os educará para serem independentes e bem informados sobre a realidade que os aguarda?- Promete que não falará mal da pessoa com quem casou só para arrancar risadas dos outros?- Promete que a palavra liberdade seguirá tendo a mesma importância que sempre teve na sua vida, que você saberá responsabilizar-se por si mesmo sem ficar escravizado pelo outro e que saberá lidar com sua própria solidão, que casamento algum elimina?- Promete que será tão você mesmo quanto era minutos antes de entrar na igreja?Sendo assim, declaro-os muito mais que marido e mulher: declaro-os maduros."

Nenhum comentário: