sábado, 9 de maio de 2009

Trânsito





O complicado de emprestar o carro a alguém, é a responsabilidade.



Em plena rua vazia, num sábado de manhã... liga ele e me diz: "Te veste que bati o carro", sendo que no dia anterior, na esquina da casa dele houve um acidente horrivel, e pelo mesmo motivo: um dos motoristas não respeitaram ou não viram a placa de "Pare" e simplesmente ocorreu o pior.



Sempre achei ridiculo as pessoas falarem: "Vai em frente que é a tua preferencial". Sempre achei o cumulo da imbecilidade implicita. Falar isso é como praticar roleta russa em si próprio e para com os outros ao redor.



Pelo menos nessa batida de carro, não houve vitimas. A do dia anterior sim.



O que me indigna é que sempre falei que não existe preferencial nenhuma nessas ruas, ruazinhas de bairros são as piores, sempre tem os motoristas com seu ego inflado pensando: "eu conheço essa rua, nunca passa ninguem aqui", "é preferencial"... e por causalidade ou azar mesmo... naquele minuto, naquele segundo, naquele instante de pensamento pode te envolver num acidente, tu pode envolver outros, enfim....



Ao ver que está todo mundo bem, apenas todos com cara de tacho, esperando pelos fiscais de transito-sem-saco em plena manhã de sábado em uma rua estupida... fico analisando toda essa situação ridicula.



Foi publicado na Veja que o Brasil é o pais onde quase 100% dos motoristas são mal educados no transito, principalmente os gauchos. A começar por mim, que nos horários de rush me irrito facilmente e pela noite sou exímia infratora do sinal vermelho.



Não existe preferencial em um pais em que todos se acham no direito de ser VIP: "Não preciso ficar na fila, pois conheço o fulano", "Tenho preferencia neste lugar", "Nao estou furando fila, tenho preferencia porque já estava aqui antes", "Não fico na fila, conheço o dono e vou ter preferencia"... e porque iria ser diferente no transito?????



Custa dar uma paradinha? Custa desacelerar o carro, colocar em primeira e olhar os dois lados da rua? Custa fazer isso??? Sim, custa.



Custa desprover todo o ego de si, custa diminuir a auto-suficiencia, custa diminuir frases prontas na ponta da lingua como "acidentes acontecem", custa tudo isso e mais um pouco.



O maior numero de acidentes, dá-se por falta de atenção de ambas as partes, isso foi dito no inicio do ano, em uma reportagem feita pelo Globo Reporter pra entender o porque de tantos acidentes no verão pois as pessoas saem enlouquecidas pra ir pra praia e não voltam pras suas casas devido a acidentes, e há os que voltam sequelados em cadeira de rodas, etc..



Tem que cuidar de si próprio e se precaver do próximo, não adianta.


Uma coisa é acidente de transito, outra coisa é lidar com problemas na vida. Então, não misture as coisas. Cada um reage de uma maneira. E se minha maneira é ficar na minha mudez inconformada por algum tempo após "acidente", é melhor deixar eu ficar na minha análise interior do que expor toda a minha raiva e inconsequencia pra fora.



Cada um se conforta e reage as coisas externas de um jeito. Não há padrão para isso. Há as que gritam e choram, há os que preferem dar semões sobre tudo, há os que xingam sem parar.

Eu só preciso de um pouco de silencio. Será que isso é tão errado??



Deveria eu sair gritando, chorando, rindo ou tranquila diante de uma situação que não me agrada?? Será que posso digerir o que houve na minha mais profunda mudez interna ??? Poxa... as vezes é melhor ficar calado do que falar besteiras, do que xingar o próximo, do que falar algo sem nexo, do que procurar culpas.



Ninguém tem a mesma opinião sobre tudo e tampouco ninguem é obrigado a ter uma postura esperada pelos demais diante de uma situação desagradvel.



Esse é o dom da vida. Aprender a respeitar a si mesmo e aprender a respeitar a personalidade do proximo.

Nenhum comentário: