segunda-feira, 1 de junho de 2009

Foi apenas um Sonho




No domingo assisti esse filme... aqui no Sul tá um frio HORRÍVEL, mas pra mim é a melhor estação do ano, amo o inverno... deve ser porque nasci em pleno inverno, mas enfim... vi esse filme embaixo das cobertas comendo mingau... ô infantil!




Vamos a la película... realmente, o namor achou o filme meia-boa... não gostou muito não... mas eu simplesmente AMEI. Adoro ver filmes com certas temáticas do nosso-dia-dia... e quando digo "nosso"... é de todos.




O filme é baseado em um livro de Richard Yates publicado em 1961, eleito em 2005 pelos críticos da revista Time como um dos 100 livros mais importantes do século XX.




Só adianto que quem espera ver os dois juntos no final do filme ou que o filme é algo tremendamente romântico... vai perder tempo... porque o filme é tudo, menos romântico. Trata sobre planos e sonhos de um casal de classe média norte-americano, em meados dos anos 50, em um casamento fracassado, com dois filhos e um terceiro por vir... sonhos que perderam lugar a uma vida pacata, dentro de uma casinha tipicamente americana, em um bairro americano, sem grades, sem portões, muito verde e rua limpa... um marido que trabalha na empresa aonde o pai trabalhou e a esposa... infeliz dentro de casa pois não conseguiu ser uma atriz.




O filme retrata muito bem a rotina chata do casal, que vai desencadeando em tudo... menos em amor e compaixão... apenas por si próprio... Sabe quando a gente pensa que é especial, que não se encaixa naquele meio onde vive? Que espera mais pela vida? Mas que ao mesmo tempo que espera, está de mãos atadas a algo que todo mundo usa, faz, e ao se dar conta disso... sabe que está levando uma vida tipicamente normal como todo mundo ao seu redor? E então vem o sentimento de fracasso.




O marido consegue sustentar a mulher, a bela casa e ainda assim... os dois não conseguem usufruir de nada disso, devido ao puro sentimento de fracasso e com a certeza que de que eles deviam estar em outro lugar, menos ali... naquela casa confortavel, com filhos perfeitos, simbolizando assim um casamento perfeito perante os vizinhos.




Bom, não vou falar do fim do filme... mas apesar de algumas loucuras das cenas... eu me vi ali por alguns minutos... por frações de segundos... sabe... acho que todo mundo já deve ter se sentido assim em algum momento da vida... "eu não devia estar aqui", "devia estar fazendo outra coisa", "eu tenho planos de ir pra Paris (como a esposa no filme)", "não me encaixo nesse padrão imposto", enfim... acho que como se fosse uma revolta da vida ou pela vida...




Ao mesmo tempo que há o sentimento de revolta... existe também a realidade de como fazer, o que fazer, por onde ir....




Eu tenho 26 anos e me sinto assim em relação a minha vida profissional, tem horas que eu simplesmente odeio ter que vir pro escritorio aonde eu trabalho, ter que ir em foruns, etc, etc... fico me imaginando liderando pessoas, amo estar em contato com pessoas, adoro RH... e por isso que talvez eu até mude de profissão e vire uma Analista de RH... que não sei até que ponto é melhor ou pior que o direito... pelo menos não tem OAB... e então algo lá no fundo me diz que eu na verdade... estou fugindo disso tudo, fugindo dessa porcaria de prova... enfim...




O filme é excelente, e quem quiser alugue rapido. Eu adoro filmes desse tipo, que te fazem pensar.




Só não me venham me chamar de loca depois, porque tem cenas que realmente dá vontade de esganar a esposa... hehehehe!




Bjoooooooooooooooo


3 comentários:

Paula Cavalcante disse...

Eu tb gosto de ver algo para refletir...está anotado!! Ah!! tb adoro mingau - rsrsr - bj, Cherry!!

Mônica disse...

Assisti o filme já há algum tempo no cinema e adorei.Ficou a vontade de ler o original...

O frio bateu cá nas montanhas também. O estoque de vinho tinto e caldos já foi devidamente providenciado! :-)

bisous

Fernanda disse...

Ai eu também gostei muito do filme porque apesar de gostar de romances com finais felizes, é bom bom agente voltar pra realidade de vez enquando e lembrar como é o ser humano de verdade... Meu noivo também nao gostou do filme nao... acho que ele ficou com medo de eu ficar como ela...