quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Pretérito Imperfeito

* Aviso aos meus leitores: o post é longo people!

Eu sempre fui contra o pensamento de que quando um relacionamento acaba, não teve tempo perdido, ele durou o que tinha que durar, foram felizes por tantos anos e etc.

Sempre achei essa máxima "", ficava pensando que isso era coisa de gente conformada, que não lutava pelo que queria. Chegava ao cumulo de pensar que quando se ama, tem que ir até o fim, lutar por aquilo, independente de qualquer coisa, que não se pode desistir de maneira alguma, nem por um decreto, nem por opiniões alheias desfavoráveis. Achava q se não deu certo, eu só perdi meu tempo, minha vida e minhas horas.

Namorei uma pessoa por três anos. E nesses três anos, tive a plena consciência que me doei. Eu vivia mais com a familia dele do que com a minha. Eu sabia mais dos problemas da familia dele, do que os problemas da minha. Muitas vezes recusava convites de amigas, familia e próximos pra ficar com ele e com todo o resto junto. Substituí por muito tempo minhas amigas, por namoradas de amigos dele, que por sinal, hoje só me resta uma (oi loirão!). Eu vivia naquele mundo de Alice, que pra mim, naquele momento era perfeito. Eu ocupava uma boa parte do roupeiro, apesar da gente não morar junto. Eu me sentia irmã da irmã caçula, que até hoje sinto falta. Sentia e sinto um carinho imenso pela mãe dele, as vezes dá vontade de ligar só pra ouvir a voz dela. Sinto horrores de saudade da comidinha caseira da vó, as vezes dá vontade de sair do trabalho e ir direto pra lá, só pra comer aquele feijão maravilhoso. E essas são as pessoas, daquele vinculo todo,  q me restaram no coração.

Daí que quando o relacionamento terminou (post do término aqui, aliás nunca recebi tantos comentários num post, THANKS people) eu caí de para-quedas em um mundo que eu tinha deixado de viver há exatamente três anos, joguei em cima dele inumeras frases do tipo "olha tudo o q fiz", "deixei de fazer isso ou aquilo" e entre tantas outras. No entanto, o ônus é todo meu. Eu deixei de fazer ou fiz, por meu único e exclusivo querer naquele momento. Era o que eu queria fazer, era o que estava me deixando feliz. Eu amava e queria estar sempre perto dele.

Então que eu não deixei de viver esses três anos, eu fui feliz, ele foi feliz. Brigamos, choramos, demos risadas, contamos moedas, compramos coisas achando q íamos ter uma vida juntos, muitos Dvd's alugados, aprendemos coisas juntos, enfim... ele foi meu pretérito imperfeito.

Passados 7 meseseu tenho certeza que nós duramos o que tinhamos que durar e um de nós, conseguiu enxergar em tempo que se fôssemos além desse prazo, íamos acabar nos destratando, porque o relacionamento já não estava bom. Depois de um tempo se percebe que muitas diferenças só nos levam a  um único lugar: a separação. E entao surge uma nova face do amor: temos que deixar a pessoa ir embora pra ser feliz. E hoje, acredito que esse foi o pensamento dele. Não estou escrevendo um conto de fadas, acredito sim que o amor tenha se perdido no dia-dia, na intolerancia, na burrice e na mesmice, mas o que restou desse sentimento me deixou voar, por mais que naquele momento eu não quisesse sair de jeito nenhum da minha zona de conforto que era ele.

Ele é músico, consequentemente, eu aprendi alguma coisa sobre música tambémE o engraçado é que quando nos conhecemos, ele tocava "Pinhal" do Cidadão Quem... e o mais estranho é que depois de um tempo, ele me apresentou a música "Pra Ser Sincero" do Engenheiros... e desde a primeira vez que escutei essa música eu sabia que a gente não ia durar. O 6º sentido foda, aquele 6º sentido que a gente não quer escutar e insiste de todas as maneiras... mas eu sabia, eu sempre soube, e acho q ele também, que a gente não ia durar. Nossas diferenças, por vezes, era gritante.

Hoje estou feliz porque não tenho mágoas. Eu vivi e aprendi o que estava reservado pra mim naquele pretérito. E se não fosse por ele, de ter tido a coragem de acabar tudo, em meio a uma turbulencia de sentimentos, dúvidas e mágoas, eu não teria conhecido a pessoa que estou hoje cuja única diferença entre a gente é a profissão.

Levei um fora? Sim, mas foi um fora que me jogou pra vida.

Qualquer coisa que me acontece hoje, de maneira negativa/dolorida, eu tento enxergar o outro lado da coisa. Há males que vem pro bem, com certeza, só que pra isso a gente tem que sair da zona de conforto e seguir em frente, calçar um novo sapato e trihar caminhos nunca percorridos. Eu podia estar até agora chorando pelo leite derramando, mas eu me refiz inteira. Chorei o que tinha pra chorar, xinguei, berrei, surtei, fiz tudo o que era possível pra gente dar a voltar por cima e tentar mais uma vez, mas quando me levantei, virei a página.

Sempre falei que caso a gente terminasse, eu nao aguentaria e então iria arrumar a mochila e viajar o mundo. E eu fiz isso, viajei o meu mundo. E percebi que meu poder de regeneração é inigualávele dentro dele encontrei a pessoa que vou morar ano que vemE se eu continuo me doando? Sim, isso é algo que já nasceu cmg, porém não deixo sob hipotese alguma minhas poucas amigas e família a margem da minha felicidade.

Um dia desse

Num desses

Encontros casuais

Talvez a gente

Se encontre

Talvez a gente

Encontre explicação

Um dia desses

Num desses

Encontros casuais

Talvez eu diga:

-Minha amiga

Pra ser sincero

Prazer em vê-la!

Até mais!...

33 comentários:

Tati disse...

Nossa... eu adorei!!! Sério, de verdade. Sem palavras...
Queria colocar a sua história no meu blog. Posso? Depois conversamos mais, se vc topar, para que eu possa montar o texto. Adorei de coração.
Beijos,
Tati
http://comoagarrarummarido.blogspot.com/

Lorena Portela disse...

rê, tu arrasou tanto, tanto, tanto com esses texto.... TANTO!

eu queria até publicar no meu blog pq eu conheço um monte de gente que precisa ler isso.. SABER VIRAR A PÁGINA É UMA ARTE!

PARABÉNS.

cronicasurbanas disse...

Rê,
acho que o nome disso é 'crescer'. Quando a gente consegue olhar pra trás e fazer a análise que você fez, e saber o que fazer daí pra frente com o que viveu, a gente fica maior. E melhor. Parabéns!
bjk
Mônica
@madamemon

Páginas Da Minha Vida disse...

Lindo seu texto, MESMO!
é incrível como quando analisamos as coisas, e vemos que as respostas estavam ali o tempo todo, e por algum motivo só conseguimos enxergar AGORA.

adorei essa analise do seu antigo relacionamento.

bjs

Luciana Klopper disse...

Rê, amei eu lembro sim, de como vc ficou! Lembro de qdo vc se reencontrou...amei!

Luna Sanchez disse...

Já eu sempre acreditei nisso, sempre me neguei a aceitar que se não fosse para sempre não teria valido a pena...como assim?! E o tempo em que vivi com e para aquela pessoa, jogaria no lixo? Não, né?

Tudo que a gente vive tem valor, serve para alguma coisa, nos ensina, deixa lições, faz parte da gente, da nossa história, contribui para o nosso crescimento. ;)

* Gostei do texto, isso é amadurecimento, não tem preço!

Beijo³.

ℓυηα

Desabafando disse...

Acho que todas as experiências pelas quais passamos são válidas e nos trazem ou ensinam algo. Tudo tem seu valor. Naquele momento era o que vc precisava, depois deixou de ser e que bom que vcs perceberam a tempo e puderam encontrar caminhos ainda melhores, não? Acredito que tudo funciona dessa forma em todos os setores não só no afetivo.

Barbarella disse...

Rezôca!!
Que lindo isso!!
Adoro essa musica, adoro Engenheiros....
A Mônica, aí em cima resumiu tudo... CRESCER
Isso é crescer, e a gente só aprende a viver quando sai da sombra, da mãe, namorado..e cai no mundo...tive um separação assim...foi terrível, no alge da loucura achei que ia morrer...., passou, não morri, muito pelo contrário, cresci muuutio depois que deixei aquele amor no passado....
Meses depois conheci o cara que seria meu marido e o pai do meu filho...e lá se vão 7 anos....e que seja eterno enquanto dure!

Bjos lindona, se não achar o baton me avisa, te mando daqui ok!
Tomei a liberté e te add no msn...
Baccio Guria

*Mi§§ §impatia* disse...

É Re, lembro bem desse término, foi alguns meses depois do meu....... e hoje eu consigo me sentir assim como vc...... o tempo faz milagres.......
Beijos e fico feliz em saber que vc esteja tão bem.

*Maluh Mah* Marinha Luiza disse...

Nossa!
Me sinto exatamente assim.
Não joguei tres anos fora. Foram tres anos de amadurecimeno pra pessoa qe sou hj.
Eu continuo metendo os pés pelas mãos e entrando de cabeça nas coisas. Mas o fora que levei me ensino que a pessos mais importante desse mundo sou eu.
Seu texto ficou perfeito!
Bju

Accácia disse...

Linda lição de crescimento,de aprendizado!
Obrigada por repartir conosco!
Um beijo
Accácia

Renata disse...

Oi Rê!!
Adorei seu texto. Você mostrou todas as suas emoções, na forma mais pura e simples. Concordo, nada na vida é por acaso, nada acontece por acaso, tudo tem um por quê e um para que.
Desejo que agora o seu conto seja realmente de fadas, co a garantia de um final feliz.
beijos

Pimenta disse...

Então, né mesmo?Tudo que vivemos nos faz crescer.Isso é o que conta.A memória.Ela que nos conta,depois, o quanto foi bom, ou ruim.
Espere para ver.
Bjo.
Gostei de você...Vim pelo..Esqueci!Ai, esse alemão que me enlouquece!(allzeymmer)

Tati disse...

Oi Rê!
Obrigada pelas palavras amigas... mesmo.
Beijos e adoro seus textos.
Tati
http://comoagarrarummarido.blogspot.com/

Thais disse...

entendo tudo que vc escreveu. Namorei 4 anos e me doava demais, até que um dia, sozinha me dei conta que não era isso que eu queria, precisava de mais. O termino foi dolorido pra ele e a familia toda ficou com raiva de mim. Passado 5 anos, eu conheci outra pessoa, me casei e mudei de pais. Tanta coisa boa aconteceu e acredito que tenha sido melhor pra ele tb.

JaNine disse...

Amei!

Lindo o texto, sábias palavras.

Bjusss

Liana disse...

se mais pessoas soubessem virar a página e seguir em frente sem insistir em ficar preso ao passaso, muito mais pessoas estariam felizes agora.

meus instantes e momentos disse...

que bom ler voce. A tua facilidade em expor o que pensa, deixa a leitura fluir fácil, sem cansar.
gostei daqui.
Mauriozio

T. Ellen disse...

AMEI! adoro passar aqui, qndo tiver um tempo passa lá no ilsuão!

Eraldo Paulino disse...

Eu também já paguei muito a minha língua. E sabe que as vezes penso que se não fossem histórias surpreendentes como essa a blogsfera não teria vida? rsrs

Adorei o texto e me identifiquei muito com ele. Bjs!

pequena disse...

Ãmiga tu me fez chorar sabia? To vivendo tudo que vc viveu a 7 meses atrás e tive a decisão de terminar pelo mesmo motivo. Mas não é fácil, eu e o pequeno terminamos, mudei de casa e é a vida, sempre seguindo em frente


te lovo rs

Gabriela Castro disse...

Parece que você descreveu a minha história, com a diferença de que meu relacionamento durou 6 anos e cheguei a ser noiva. Meu mundo era ele e a família dele. Fui muito feliz, mas essa sensação de "perdi tanto tempo" ainda não passou pra mim. Adorei o post! beijos

Lorena Portela disse...

rê, fiz um post falando sobre a arte de saber virar a página... te citei lá!

beijos.

Rachel Chagas disse...

Esse texto foi um misto de alegria e tristeza, nostalgia e visão de futuro...

Mas em toda a sua mistura, ele é lindo, feito de toda a sua sinceridade...

Ah, que maravilha é a vida com tudo o que ela nos reserva!

MULHER BÁSICA disse...

e assim a vida segue!!!! A.D.O.R.O.
Bjão

Eu sou o GOOGLE disse...

Rê, que post bonito! Parece que vc entendeu as coisas como eu. Perdoei muito meu ex marido, hj, feliz, muito feliz, exatamente como quero estar...finalmente tratada como mereço. Acho que lucrei muito com meu casamento, ganhei meu Googlezinho, aprendi que a convivência pode acabar com o amor, que fiz muitoooooooooo bem em ter tocado ficha no meu trabalho e nao ter abandonado meus amigos por ele. Acho que por isso perdoo, nao perdi muito, ganhei algumas guampinhas, obvio, mas levar chifre faz parte, no mundo perdido de hj.
Sigo na filosofia, cercar nao adianta, o que funciona é ter a mente em paz. Muita felicidade para nos...
um beijao

rouxinol de Bernardim disse...

Excelencia com sinal mais!

Eu Hein Natasha disse...

Nossa, vc não mentiu qnd disse q era longo mesmo, hien!
Mas enfim, é isso aí né..
Sorte hien!
a-muaah
=D

Fala garoto, fala garota. disse...

Sim, deixar ir é necessário... Meu momento é de reciclagem e reflexão. Dói mas é preciso.
FOCO!
Beijos!

Ju disse...

Perfeita a sua reflexão.
Nada se perde. Tudo vale pra alguma coisa. Mesmo que seja uma boa memória ou um aprendizado!

bjos

Elen disse...

Adorei o texto.... bem real.

Parece a minha vida... credo! Será que preciso ter medo?!?!

abraços cheirosos

MAX disse...

bom eu vasculhando a internet encontrei vc...estava procurando a Maluh mais enfim algo que escreveu que me remeteu ao passado e foi muito bom.

Gerundino disse...

Tenho q concordar contigo na questão de, não querer achar que foi tempo perdido, mas no fim eu sinto q foi. Mesmo assim eu tento de novo e quebro a cara de novo :p