segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Convivendo com a maternidade.

Entramos na semana das 22. Sinto a Gabriela mexer, o que as vezes é engraçado e estranho ao mesmo tempo. No início,  achava que era meu estômago se revoltando contra o trabalho extra em função da digestão lenta, mas aos poucos fui percebendo que o estômago não seria tão saliente assim. É legal de sentir, mas ao mesmo tempo, estranho. 

Fizemos a eco morfológica do segundo trimestre e ela está saudável e com tudo ocorrendo conforme a natureza permite. Fico tensa em relação aos mosquitos. Cada vez que vejo um, saio disparando ou procuro, de imediato, um repelente que esteja por perto.
Aqui no RS ainda não temos tantos casos, os que apareceram foram de gestantes que viajaram ano passado para o Nordeste e as crianças nasceram com microcefalia agora. Mesmo assim, fico paranoica achando que elas contaminaram todos os mosquitos "saudáveis" do RS. 

Atualmente, estou na função do que comprar e o que não comprar em termos de enxoval. Já descartei cômoda, já estou quase descartando aquelas banheiras portáteis enormes que depois viram um elefante branco pela casa, assim como estou descartando qualquer coisa de difícil manipulação. 

Mandei restaurar meu roupeiro de madeira que usei na adolescência, mandei pintar de branco e troquei os puxadores. Não teremos berço, e não é por causa da função Montessori, mas é porque sempre odiei ver os bebês trancados naquele berço e caindo de cabeça no chão quando começam a ter vontade própria. Desde sempre pensei que berços eram para facilitar a vida dos adultos, e não estimular a criança. Acho que ainda ficou algum resquício na minha mente quando fiz pedagogia- por dois semestres, e trabalhei por um ano em uma creche. Comprei um mini berço da Sleeper, e ela ficará no nosso quarto até quando eu achar que ela deve passar para o quarto dela. 

"Ah mas vai ser péssimo pra tua coluna ficar agachando no chão e colocando o bebê nessa caminha em formato de casinha"- Que mania bem chata que as pessoas têm de dar pitaco onde não são chamadas, afinal, a coluna é minha, a filha é minha, e ela não vai ficar trancada em um berço. 


2 comentários:

Débora disse...

Achei lindo e muito prático o modelo do berço, super funcional. O modelo montessori de quarto para bebes muito me agrada, tenho pesquisado bastante a respeito e fiquei feliz em saber que na minha cidade tem uma escola neste método!

Bella disse...

Que ideia maravilhosa essa da caminha! E vc esta mais que certa, as pessoas metem-se onde nao sao chamadas! Que sua familia seja muito abencoada com essa bencao! Beijo!